Acima de tudo, “eu e você”

Acima de tudo, “eu e você”

Acima do mundo, acima do tempo, acima de todas as distâncias e diferenças que nos separam,…

“Todos os sentimentos cansam e desistem, menos o amor.
Sentimento esse tão teimoso!
Até quando passa, não acaba.
Posto de lado, jamais se conforma.
Mesmo se afogando na impossibilidade, não morre.”

nem a desilusão.
Nem a incerteza, nem a solidão…
Nada me impedirá de sorrir…
Nem o medo, nem a depressão.
Por mais que sofra meu coração…
Nada me impedirá de sonhar…
Nem o desespero nem a descrença.
Muito menos o ódio ou alguma ofensa…
Nada me impedirá de viver…
Mesmo errando e aprendendo.
Tudo me será favorável…
Para que eu possa sempre evoluir.
Preservar, servir, cantar, agradecer.
Perdoar, recomeçar…
Quero viver o dia de hoje.
Como se fosse o primeiro…
Como se fosse o último.
Como se fosse o único…
Quero viver o momento de agora.
Como se ainda fosse cedo.
Como se nunca fosse tarde…
Quero manter o otimismo.
Conservar o equilíbrio e fortalecer
a minha esperança…
Quero recompor minhas energias.
Para prosperar na minha missão,
e viver alegremente todos os dias…
Quero caminhar na certeza de chegar…
Quero lutar na certeza de vencer…
Quero buscar na certeza de alcançar.
Quero saber esperar para poder realizar,
os ideais do meu ser…

Não importa o quanto às vezes seja difícil, o quanto às vezes eu me atrapalhe, o quanto às vezes eu seja a densa nuvem que esconde o meu próprio sol, quantas vezes seja preciso recomeçar:
Eu combinei comigo não desistir de mim, e muito menos de nós dois…

É por isso que eu venho contra tudo e contra todos celebrar e agradecer a Deus pelos nossos anos de convivência…

Nana eu amo você!!!!

20130327-214731.jpg

Anúncios

O CAMINHO DA CRUZ. SÉRIE FRASES

Um homem pode ser considerado amante da cruz apenas na medida em que Isso o capacita a ajustar as contas consigo, com os outros e com os poderes e as seduções do mundo. Sob a cruz, o homem alcança a hombridade[…] não há como compartilhar da glória do Senhor ressurreto se não no discipulado da cruz./>
20130205-092702.jpg

Es por Tu gracia Jesús Adrián Romero

 

Es por Tu gracia

Jesús Adrián Romero

 

Quando ninguém me vê, na intimidade.
Onde não posso falar mais que a verdade
Onde não existem aparências
Onde meu coração está aberto
Ali sou sincero, ali minha aparência de piedade se vai
Ali é Tua graça que conta
Teu perdão o que sustenta para estar de pé.

 

 

E não poderia continuar se não fosse porque sou revestido pela graça e justiça do Senhor.
Se me viram do jeito que sou
Saberiam que é Jesus.
O que viram refletido em mim,
Foi somente a sua luz.

 

É por Tua graça e Teu perdão,
que podemos ser chamados de instrumentos do Teu amor.
É por Tua graça e Teu perdão,
Minha justiça está longe de Tua perfeição.

E não poderia continuar se não fosse porque sou revestido pela graça e justiça do Senhor.
Se me viram do jeito que sou
Saberiam que é Jesus.
O que viram refletido em mim,
Foi somente a sua luz.
É por Tua graça e Teu perdão,
que podemos ser chamados de instrumentos do Teu amor.
É por Tua graça e Teu perdão,
Minha justiça está longe de Tua perfeição.

 

 

Papo da Segunda CARTA DE UM EX PRÉ-SUICIDA

CARTA DE UM EX PRÉ-SUICIDA

Por que não morri no seio materno, por que não pereci saindo de suas entranhas? Jó 3:11

Eu ia me suicidar por quê?

Minha vida é uma vida comum, como a de qualquer um que luta pela sobrevivência num mundo de animais que se dizem racionais ou são assim denominados, mais vivem se comendo, se mordendo, se denegrindo apenas para justificar que o mundo é dos mais “fortes”

Eu ia fazer isso porque eu não acredito mais em histórias da carochinha, em filosofias, em psicologias, ou em outras ias que tentam nos conduzir e nos focalizar dentro de uma tese, de uma análise, de um conto em que eles é quem tem a verdade e nós somos as peças, somos os personagens, os pontos a,b,c que justificam um comportamento, uma atitude, uma vida…

Eu não conseguia mais prestar atenção em hipócritas, personagens de todo dia que sugerem dizer que a vida é um grande palco onde tudo é um espetáculo e brilha mais quem pode encenar mais o que não é, são aqueles que vestem um figurino fictício pra provar e se provar o gosto de impressionar, se impressionar e serem vistos por uma plateia muito exigente na arte de mentir pra si mesmo.

Estava cansado de ser acusado, diminuído, censurado, proibido naquilo que os que o fazem não são dignos de respeito porque não vivem o que pregam e tentam ensinar o que não sabem, o que não sentem, o que não experimentaram…

Tinha desistido de sonhar, de sorrir, de cultivar algo que pudesse ser realmente verdadeiro, sólido, eficaz, sério e objetivo pra viver em paz…

Enojava-me ver aquilo que tinha me tornado, fruto da mentira, da autossuficiência, da miserabilidade. E da racionalidade do que é a vida por ela mesma.

Juntava pedaços, colhia desgostos, comia refugos de minhas próprias escolhas a fim de sobreviver…

Não faltaram acusadores, intelectuais da vida que por sua nobreza e superioridade sempre estavam num patamar alto e inatingível, assoprando orgulho e perfeição…

Eu só queria intender o propósito de tudo isso na vida da gente que esperava só um pouco mais…

A conclusão que eu cheguei era que eu havia nascido apenas pra morrer, que se havia algum merecimento na vida era este “a morte”…

Este era o premio maior, ou quem sabe, no desespero de um fim, “o descanso maior”…

Até que descobri alguém que me fez ver outra vida, outro proposito, outro fim…

Alguém que sabia tudo de mim:

“… quando me sento ou me levanto. De longe penetrais meus pensamentos.

Quando ando e quando repouso, vós me vedes, observais todos os meus passos.

A palavra ainda me não chegou à língua, e já, Senhor, a conheceis toda.

Vós me cercais por trás e pela frente, e estendeis sobre mim a vossa mão.

Conhecimento assim maravilhoso me ultrapassa, ele é tão sublime que não posso atingi-lo.

Para onde irei, longe de vosso Espírito? Para onde fugir, apartado de vosso olhar?

Se subir até os céus, ali estareis; se descer à região dos mortos, lá vos encontrareis também.

Se tomar as asas da aurora, se me fixar nos confins do mar, é ainda vossa mão que lá me levará, e vossa destra que me sustentará.

Se eu dissesse: Pelo menos as trevas me ocultarão, e a noite, como se fora luz, me há de envolver.

As próprias trevas não são escuras para vós, a noite vos é transparente como o dia e a escuridão, clara como a luz.

Fostes vós que plasmastes as entranhas de meu corpo, vós me tecestes no seio de minha mãe.

Sede bendito por me haverdes feito de modo tão maravilhoso.

Pelas vossas obras tão extraordinárias, conheceis até o fundo a minha alma.

Nada de minha substância vos é oculto, quando fui formado ocultamente, quando fui tecido nas entranhas subterrâneas.

Cada uma de minhas ações vossos olhos viram, e todas elas foram escritas em vosso livro; cada dia de minha vida foi prefixado, desde antes que um só deles existisse.

Ó Deus, como são insondáveis para mim vossos desígnios! E quão imenso é o número deles!

Como contá-los? São mais numerosos que a areia do mar; se pudesse chegar ao fim, seria ainda com vossa ajuda.

Salmos 139:2-18

– Tudo que eu buscava era ser amado de verdade, ser transformado em uma imagem que superasse tudo o que já havia visto e vivido.

Foi ai que eu me tornei um suicida em potencial, por que quando encontrei alguém em que pudesse confiar, eu lhe pedi uma solução pra minha vida.

Ao que a resposta ecoou e ecoa até hoje dentro de mim:

Jesus replicou-lhe: Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer de novo não poderá ver o Reino de Deus.

João 3:3

Mais eu disse a Ele que eu não tinha coragem de fazer isso, pois como eu iria nascer de novo senão que eu tivesse que morrer primeiro pra depois acontecer?

E Ele me acalmou e disse:

Veja o que Paulo diz; Quando eu estava sem a lei, eu vivia; mas, sobrevindo o preceito, o pecado recobrou vida, e eu morri. Assim o mandamento, que me devia dar a vida, conduziu-me à morte.

Porque o pecado, aproveitando da ocasião do mandamento, seduziu-me, e por ele me levou à morte.

Por conseguinte, a lei é santa e o mandamento é santo, e justo, e bom…

Romanos 7:9-12

Na realidade, pela fé eu morri para a lei, a fim de viver para Deus. Estou pregado à cruz de Cristo.

Eu vivo, mas já não sou eu; é Cristo que vive em mim. A minha vida presente, na carne, eu a vivo na fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim.

Não menosprezo a graça de Deus; mas, em verdade, se a justiça se obtém pela lei, Cristo morreu em vão.

Gálatas 2:19-21

Então que diremos? Permaneceremos no pecado, para que haja abundância da graça?

De modo algum. Nós, que já morremos ao pecado, como poderíamos ainda viver nele?

Ou ignorais que todos os que fomos batizados em Jesus Cristo, fomos batizados na sua morte?

Fomos, pois, sepultados com ele na sua morte pelo batismo para que, como Cristo ressurgiu dos mortos pela glória do Pai, assim nós também vivamos uma vida nova.

– Foi ai então que meus olhos foram abertos, eu precisava morrer sim, mais Ele já tinha feito isto por mim e me incluído na sua morte…

Se fomos feitos o mesmo ser com ele por uma morte semelhante à sua, sê-lo-emos igualmente por uma comum ressurreição.

Sabemos que o nosso velho homem foi crucificado com ele,

… foi crucificado com ele, foi crucificado com ele, foi crucificado com ele, … Aleluia!!!!

Eu não precisava me matar, eu só precisava crer no que Ele já havia feito, eu já estava morto e não sabia…

… para que seja reduzido à impotência o corpo {outrora} subjugado ao pecado, e já não sejamos escravos do pecado.

{Pois quem morreu, libertado está do pecado.}

Ora, se morremos com Cristo, cremos que viveremos também com ele, pois sabemos que Cristo, tendo ressurgido dos mortos, já não morre, nem a morte terá mais domínio sobre ele.

Morto, ele o foi uma vez por todas pelo pecado; porém, está vivo, continua vivo para Deus

Portanto, vós também considerai-vos mortos ao pecado, porém vivos para Deus, em Cristo Jesus.

Romanos 6:1-11

– Aleluia!!!

Eu morri!!!!

O meu problema foi de uma vez por todas resolvido.

Eu tenho nova vida em Cristo, e tudo isto apenas pela fé nEle e na sua obra consumada.

Eu era escravo de mim mesmo e de uma natureza condenada a morte, eu era escravo do pecado.

Agora eu entendo o seu chamado para mim…

“… Se alguém quer vir após mim, renegue-se a si mesmo (morra para si mesmo), tome cada dia a sua cruz e siga-me. Lucas 9:23

Por isso, é necessário prestarmos a maior atenção à mensagem que temos recebido, para não acontecer que nos desviemos do caminho reto.

A palavra anunciada por intermédio dos anjos era a tal ponto válida, que toda transgressão ou desobediência recebeu o justo castigo.

Como, então, escaparemos nós se agora desprezarmos a mensagem da salvação, tão sublime, anunciada primeiramente pelo Senhor e depois confirmada pelos que a ouviram, comprovando-a o próprio Deus por sinais, prodígios, milagres e pelos dons do Espírito Santo, repartidos segundo a sua vontade?

Hebreus 2:1-4

No Amor do Senhor,

                                               Wagner de Salles

A nossa vida é como a roda da carroça

A nossa vida é como a roda da carroça

 

A nossa vida é como a roda da carroça.

A lembrança é que a roda da carroça da vida inclui dores que ensinam a sobreviver com plena certeza de que não estamos sozinhos na caminhada.

Esta roda da vida vai de pó a pó subindo e descendo. Assim, como o processo da roda da carroça acontece sempre, na vida vemos as mudanças que provocam crescimento no coração mesmo no meio da dor, das lutas e complicações da vida.

A roda vai girando e Deus vai agindo. A roda vai girando e a graça do Eterno Deus é presente em cada mover da nossa vida.

________________

Alcindo Almeida – Equipe pastoral DA IP Alphaville

(11) 4153-1514 IPAlpha.

CONTINUE NA CONTRA MÃO DO MUNDO

CONTINUE NA CONTRA MÃO DO MUNDO

Não ameis o mundo

No mundo da gente ser livre me custa

Viver para quem? Agradar quem? Ser marionete do sistema?

No mundo da lua vivendo a mentira, e arrotando hipocrisia?

Sonhando acordado com o que não se pode conhecer

Na verdade cada cabeça é um mundo que não se pode domar

É como querer perscrutar um caminho sem nunca poder ver

Que o que queremos de verdade é preencher o nosso ardor

Com amor que de tão grande não cabe em nosso mundinho particular

Todo mundo sabe o vazio que te faz falta e todo mundo busca sobrepor

Do coração, vêm as decisões, dos olhos as cobiças, e dos pezes o precipitar.

Não, não, não, ameis as coisas, as ilusões, as situações que garimpam o seu amor.

“não ameis o mundo, nem as coisas que nele há, pois isso é o que vale acreditar”.

Eu estou no mundo, vivendo no mundo mais com o coração e a cabeça no Céu,

Pois este sim é meu mundo que o Pai foi preparar, este sim vale a pena buscar…

Wagner de Salles   

janeiro de 2012

Papo da Segunda DIFICULDADE X CONFIANÇA

Papo da Segunda

DIFICULDADE X CONFIANÇA

 

LENDO O LIVRO Confiança Sega de Brennan Manning me saltou um tema muito interessante com respeito a nossa dificuldade de confiar e a nossa confiança em meio às dificuldades, parece que estamos falando da mesma coisa mais não.

Uma coisa são as barreiras interiores frutos de nossas experiências pessoais que nos impossibilitam de crer totalmente e como consequência se entregar cegamente a esta confiança no Deus verdadeiro.

São por exemplo teses com base nos relacionamentos familiares (pessoais) e interpessoais, como colegas de tralho, pessoas com as quais não temos um relacionamento intimo. Também são frutos de nossas inseguranças, fraquezas, convicções etc.

Outra coisa é confiarmos cegamente em meio a todas estas dificuldades. E é exatamente ai que eu quero me deter um pouco mais.

O salmista no salmos 89.1 sita uma frase  que poucos tem coragem de  dizer quanto mais de cumprir: “Cantarei para sempre as tuas misericórdias, ó SENHOR” (SI 89:1).

“como é difícil entoar este cântico quando um telefonema certa manhã no traz a notícia da morte de meu amigo querido”

Como é difícil se colocar na mesma condição quando o salmista no salmos 34.1 nos incentiva a provar para vermos que o Senhor é bom,principalmente no momento em que uma mãe dá a luz à um natimorto, nesta hora a ciência moderna, a intuição feminina, e até “a misericórdia de Deus” havia falhado e ela não tinha nada para que servisse de apoio”.

Louvar ao Senhor, porque Ele é bom (Sl 135.3) diz Manning em seu livro, soa tão distante quando observamos as grandes catástrofes onde milhares de mortos, famílias destruídas, dezenas de milhares de desabrigados e a economia ficou em ruínas. “A bondade de Deus não foi cantada, louvada nem provada nos casos de famílias destruídas por terremotos na Turquia e em Taiwan, vítimas cujo sofrimento é visto em todo o mundo”. “Como alguém tem coragem de propor o caminho da confiança em face da dor nua e crua, que não escolhe cor, raça nem posição social, da desordem mundial e do terror da história”?

“Qualquer autor cristão que não considere essas realidades cruéis ou as descarte como de pequena monta é ingénuo, ou desonesto, ou desligado da angústia que detona a confiança de muitos cristãos que lutam contra ela”.

“Quando a dor e o sofrimento se juntam ao monstruoso mistério do mal, chegamos a uma encruzilhada de onde não há caminho de volta”. Louis Dupré escreve:

“A absoluta magnitude do mal que nossa era tem experimentado como campos de concentração, guerras nucleares, genocídios tribais ou conflitos raciais não levanta a questão de como Deus pode tolerar tanto mal, mas nos faz perguntar como a realidade mais tangível do mal ainda permite a possibilidade da existência de Deus”.

A dor, o sofrimento e o mal constituem um divisor de águas para a comunidade da fé. Muitos evitam a questão por completo, ao passo que outros tentam substituir a confiança religiosa pela arte, pela reflexão racional ou pela especulação filosófica. Na verdade, conforme observa Dupré: “O mal convida à especulação filosófica, mas é o rochedo que faz a filosofia naufragar”. Até mesmo a teologia não tem condições de resolver o problema da mãe cujo filhinho acabou de morrer de câncer.

No capítulo 53 de seu livro profético, Isaías fala da figura misteriosa do servo sofredor, que, embora “desprezado, e o mais rejeitado entre os homens”, brutalmente agredido, “tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si”, mas ainda assim triunfou. Aleluia!! As Escrituras cristãs falam da cruz e dão testemunho de que Deus pode transformar em bem os males mais hediondos.

Além da trindade da dor, do sofrimento e do mal, acrescente-se outro grande obstáculo a uma confiança inabalável no amor misericordioso de Deus: o testemunho infeliz de cristãos ultraconservadores com suas imagens execráveis de um Deus mau. Eles falam num tom sepulcral e frívolo a respeito de uma divindade que, com prazer maldoso, lança num lago de fogo noventa por cento das pessoas criadas a sua imagem e semelhança. Igualmente repugnante é a divindade descrita pelo inigualável Philip Yancey em seu livro magistral What’s So Amazing About Grace? [Maravilhosa graça]: “Cresci com a imagem de um Deus calculista”, ele recorda, “que pesava meus atos bons e maus em balanças e sempre me achava em falta.

[…] Eu imaginava Deus como um ser distante e assustador que preferia medo e respeito em vez de amor”.

E então o sofrimento — sempre acabamos caindo de volta no tema do sofrimento. Talvez você ache que estou exagerando a enorme dificuldade para causar um efeito dramático. Mas os que andaram pela longa e solitária estrada que leva ao Calvário não pensam assim. Nem os que viveram angústias insuportáveis e recusaram-se a desistir e perder as esperanças.

O cético pode falar àquelas mulheres que, na infância, sofreram violência sexual do pai, do tio ou do irmão e agora estão tomadas de fúria, vergonha, impotência e ódio contra si mesmas.

Como as pessoas podem bater palmas e celebrar a Deus com vozes de júbilo (SI 47:2) no meio da dor, do sofrimento, da tristeza e do desespero galopante? É possível resistir e no fim transpor a desolação e a melancolia de um panorama marcado pelo mal e pela destruição?

Depois da conversão de Saulo / Paulo na estrada para Damasco, Jesus disse a Ananias: “… pois eu lhe mostrarei quanto lhe importa sofrer pelo meu nome” (At 9:16). Qualquer pessoa que Deus use de forma especial é sempre profundamente ferida.

Segundo Henri Nouwen, nós somos, cada um de nós, pessoas insignificantes a quem Deus chamou e dispensou sua graça (favor imerecido) para usar de modo especial. Aos olhos dele, os grandes ministérios têm tanto valor quanto os que chamam pouca atenção e não são famosos.  No último dia, Jesus olhará para nós em busca não de medalhas, diplomas ou honras, mas em busca de cicatrizes.

Aonde levamos o mau cheiro exalado pela dor, pelo sofrimento e pelo mal? A especulação filosófica e a reflexão racional naufragam nos bancos de areia da enorme dificuldade.

O único território inexplorado faz com que fixemos o olhar no vasto oceano sem fronteiras da glória de Deus. Ireneu, discípulo do apóstolo João, é nosso guia em Contra a heresia do gnos ticismo, sua obra de cinco volumes. A sempre citada primeira metade de uma oração de duas partes diz: “A glória de Deus é o ser humano plenamente vivo”. Mas a parte menos mencionada diz: “… e a vida do homem consiste em contemplar a Deus”.

Tenham todos ótima semana.

Wagner de Salles

Com base e extraído trechos do capitulo três do livro Confiança cega de Brennan manning