SÉRIE “ANTES DE TUDO PREGA O EVANGELHO”


SÉRIE “ANTES DE TUDO PREGA O EVANGELHO”

 

Tu, porém, vai até ao fim; porque descansarás, e te levantarás na tua herança, no fim dos dias.  Daniel 12:13

Nos nossos últimos dias temos visto o cumprimento das escrituras, vivemos dias de sobrevivencia da fé, ante o progresso crescente da iniqüidade, o amor de muitos anda esfriando.

Temos que permanecer até o fim como profetizou Daniel e só há uma maneira de isto acontecer de fato, só pela pregação louca do evangelho é que a fé irá prevalecer.

Com base na primeira carta de Paulo a Timóteo vamos ver que o evangelho é a boa nova da salvação, prometida desde a eternidade, concretizada na História por Cristo, e oferecida à fé.

A nossa primeira responsabilidade reside na comunicação do evangelho, fazendo uso de velhos métodos ou “procurando novos” caminhos  desde que sejam verdadeiramente bíblicos para torná-lo conhecido por todo o mundo.

Isto implica em sofrermos consequencias, que se assim procedermos, certamente sofreremos por ele, já que o autêntico evangelho nunca foi popular. O evangelho humilha muito o pecador, ou por assim dizer coloca o homem no seu verdadeiro lugar.

E ao sermos chamados a sofrer pelo evangelho, somos tentados a adaptá-lo, a eliminar aqueles elementos que ofendem e provocam oposição, a silenciar as notas que ferem os sensíveis ouvidos modernos.

Mas devemos resistir a esta tentação. Pois, antes de tudo, fomos chamados a guardar o evangelho, conservando-o puro, a qualquer preço, preservando-o de toda corrupção.

·        GUARDÁ-LO FIELMENTE.

·        DIFUNDI-LO ATIVAMENTE.

·        SOFRER CORAJOSAMENTE POR ELE.

Esta é a nossa tríplice responsabilidade perante o evangelho de Deus, de acordo com este primeiro capítulo.

Primeira Exortação: Guarda o Evangelho!

CAPÍTULO 1

 

Antes de abordar o tema principal deste capítulo, que é a exorta­ção a Timóteo para não se envergonhar do evangelho e, sim, guar­dá-lo com toda a segurança (vs. 8-14), o apóstolo começa esta sua carta com a costumeira saudação pessoal (vs. 1, 2). Segue-se uma oração de agradecimento (vs. 3, 5) e uma admoestação (vs. 6, 8). No parágrafo inicial deparamo-nos, de um modo muito vivido, com Paulo e Timóteo, o autor da carta e o destinatário, respectivamen­te. Inteiramo-nos, particularmente, de como cada um deles che­gou a ser o que era. Estes versículos enfocam a providência divi­na, mostrando como Deus molda os homens, tornando-os confor­me ele quer que sejam.

 

1. Paulo, apóstolo de Cristo Jesus (v. 1)

 

Paulo, apóstolo de Cristo Jesus, pela vontade de Deus, de confor­midade com a promessa da vida que está em Cristo Jesus.

Intitulando-se “apóstolo de Cristo Jesus”, Paulo faz uma conside­rável reivindicação para si mesmo. Ele se coloca entre os doze que Jesus escolheu pessoalmente, separando-os do vasto círculo de seus discípulos. A estes Jesus deu o título especial de “após­tolos” (Lc 6: 13), indicando com isso que pretendia enviá-los com a missão de representá-lo e ensinar em seu nome. A fim de prepa­rá-lo para esta tarefa, providenciou que ficassem “com ele” (Mc 3: 14).   Assim, tendo a oportunidade sem par de ouvir as suas palavras e ver os seus feitos, estariam, então, aptos para testemunhar dele e de tudo o que vissem e ouvissem dele (Jo 15: 27). Jesus também lhes prometeu que o Espírito Santo lhes daria uma inspi­ração de forma extraordinária, lembrando-os acerca do que ele lhes havia dito e guiando-os em toda a verdade que não pudera ensi­nar-lhes (Jo 14:25-26; 16:12-13).

A este grupo selecionado Paulo reivindica ter sido então acres­centado. Ele vira o Senhor ressurreto, no caminho de Damasco, o que lhe deu a qualificação para ser apóstolo: ser testemunha da ressurreição (Atos 1: 21 -26; 1 Co 9:1; 15:8-9). De fato, sua expe­riência no caminho de Damasco foi mais do que a sua conversão; foi também o seu comissionamento ao apostolado. Cristo lhe dis­se: “Por isto te apareci para te constituir ministro e testemunha, tanto das coisas em que me viste como daquelas pelas quais te aparecerei ainda; livrando-te do povo e dos gentios, para os quais eu te envio, para lhes abrir os olhos. . .” (Atos 26: 16-18). As pa­lavras do Senhor

“eu te envio” foram “egö apostellö se”, ou seja, “eu te torno apóstolo”, isto é, “eu te ponho por apóstolo dos gentios” (cf.Rm 11:13; Gl 1:15,16; 2:9).

Paulo jamais poderia esquecer este comissionamento. Ele de­fendeu sua missão e mensagem apostólica contra todos os detra­tores, insistindo que o seu apostolado vinha de Cristo e não de homens (p.ex.:Gl 1: 1, 11, 12). Mesmo agora, ao escrever esta carta, humilhado pelos homens, e esperando pela manifestação do imperador, este prisioneiro comum é um privilegiado apósto­lo de Cristo Jesus, o Rei dos reis.

O apóstolo prossegue, descrevendo dois aspectos do seu apos­tolado, e lembra a Timóteo a origem e o objeto do mesmo. A ori­gem do seu apostolado foi “a vontade de Deus”. Termos idênti­cos (dia thelëmatos theou) são empregados no início das duas cartas aos Coríntios e das duas cartas, escritas na prisão, aos Efésios e aos Colossenses. Realmente, em nove das suas treze cartas, in­clusive na primeira (aos Gaiatas) e na última (esta, 2 Timóteo), Paulo se refere à “vontade”, ou ao “chamado” ou ao “coman­do” de Deus, pelo qual se fez apóstolo. Paulo sustentou, desde o começo até o final da sua carreira apostólica, a convicção de que a sua indicação como apóstolo não procedia nem da igreja, nem de qualquer homem ou grupo de homens. Nem tampouco se havia indicado a si mesmo.   Pelo contrário, o seu apostolado originara-se no desejo divino e no chamado histórico do Deus todo-poderoso, através de Jesus Cristo.

O alvo do seu apostolado diz respeito à “promessa da vida que estáem Cristo Jesus”. Isso eqüivale a dizer que ele foi comissio­nado como apóstolo, primeiramente para formular, e depois para comunicar, o evangelho. E o evangelho é a boa nova para os pe­cadores agonizantes, é a notícia de que Deus lhes promete vidaem Jesus Cristo.É muito interessante que, quando a morte lhe parece mais evidente, o apóstolo define aqui o evangelho como sendo uma “promessa de vida”. E é realmente isso. O evange­lho oferece vida aos homens, vida verdadeira, vida eterna, tanto aqui como depois. Ele declara que a vida estáem Cristo Jesus, o qual não somente afirmou ser ele mesmo a vida (João 14: 6) mas, como Paulo logo adiante revela, “destruiu a morte e trou­xe a luz da vida e a imortalidade mediante o evangelho” (v. 10).

O evangelho vai além de somente oferecer vida; ele promete vida a todos os que estãoem Cristo. Ele afirma dogmaticamente: “quem tem o Filho, tem a vida” (1 Jo 5:12). De fato, poder-se-ia dizer que a Bíblia inteira pode ser descrita como sendo uma pro­messa divina de vida, e isto a partir da primeira menção da “árvo­re da vida”, em Gênesis 3, até o último capítulo do Apocalipse, no qual o povo remido de Deus, de graça, come da árvore da vida e bebe da água viva. A vida eterna é um presente que Deus, que não pode mentir, prometeu antes dos tempos eternos; agora o tem revelado mediante a pregação do evangelho (cf. vs. 9, 10; Tt 1: 2-3; Rm 1:1-2).

É assim, então, que Paulo se apresenta. Ele é um apóstolo de Cristo Jesus. O seu apostolado originou-se na vontade de Deus e consolidou-se na proclamação do evangelho de Deus, isto é, na “promessa da vida que estáem Cristo Jesus”.

Segue no próximo…

  

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s